terça-feira, janeiro 17, 2006

...um dia de cada vez

Queridos amigos virtuais,
queria agradecer a todos o apoio e compreensão que me dedicaram durante este período de ausência. Certamente entenderam que não estava nas melhores condições para escrever.
Não me sinto ainda a cem por cento mas sei que lá chegarei.
2005 terminou para mim da pior maneira mas sinto que 2006 vai acabar em grande e para isso contarei também como vosso apoio!
A todos um muito obrigada e um excelente 2006.

Este texto do Miguel Esteves Cardoso traduz aquilo que eu mais desejo para este ano: Sossegar!!!!

"O que eu mais queria neste mundo era sossegar. É um verbo que é preciso redimir. Sossegar não é descansar, nem traz felicidade nem se assemelha senão superficialmente à paz ou à tranquilidade.
Não quero acalmar-me, ou serenar, ou assentar. O sossego é um estado de bonança. No Dicionário de Moraes descubro uns versos de Jorge de Lima:

Amo a velha paisagem bíblica
Que inda há-de baixar sobre a terra cansada
Para o sossego dos olhos esmagados

É preciso ler a Bíblia para perceber que a “paisagem bíblica” não é uma paisagem de paz mas de fé perante a conturbação. Não é o campo dos rebanhos. É o mar revoltoso que se abre, onde uns morreram e outros se salvaram e a voz de Deus não deixou que se cantasse.
E também um verso do conde de Monsaraz: “Tu és risonha, sossegada e pura”. A inveja que eu tenho dessa rapariga!
E lembro-me do sentido activo, tão bonito pela maneira como usa o verbo pôr, que parece contrariar o uso comum, do verso de Camões:
“Estavas linda, Inês, posta em sossego”, em que Inês está claramente acordada, num sobressalto de segurança em si própria, que a torna linda e temporária (“estavas” em vez de “eras” ou “és”).

O sossego é um estado de excepção, em que a alma vem ao encontro do corpo. Pode sossegar-se em momentos de grande agitação, de um acesso de amor, em que esse amor parece lucidez. É este o sossego com que sonho – uma presença consciente de verdade no que se sente -, oposto à parança estúpida, queda e adormecida, falsa, aquém da alerta. Não gosto do sossego como alívio ou interrupção.
Nem gosto da maneira como se usa o verbo “descansar”, que deveria significar repousar (recuperar as forças, etc) em vez de “sossegar”, como por exemplo: “Ainda bem que me avisaste, porque assim fico mais descansada”. É tão ridícilo como uma criada dizer:”A senhora não pode vir ao telefone porque está a sossegar”.
Numa das raras frases infelizes de Vieira, percebe-se o sentido negativo do sossego como ausência de preocupação, quando diz, com alguma redundância: “Todos se sossegaram num momento e se puseram na paz que vemos.” Nem num sentido (acalmar) nem noutro (apaziguar) existe sossego. É como chamar sossego ao silêncio.

Na época do stress e dos calmantes, das psicoterapias e das manias new age, sossegar foi destituido da sua beleza própria, da sua frescura, da sua actividade. Sossega mais o menino que ri do que o que dorme. Sossega mais o susto partilhado por dois namorados numa montanha russa, ou a bonança enquanto fazem amor, do que vê-los pascentar num banco de jardim, ou deitados numa cama, descansando depois de terem feito amor, inutilizados, estupidamente contentes, como mecânicos depois de o serviço estar feito.

Sossegar não é descansar – não é uma consequência do cansaço. Quando Rebelo da Silva, citado por Moraes, diz: “O coração não sossega, a vida cansa”, ambas as coisas são verdadeiras, mas a associação é enganadora, porque o coração não sossega por causa da vida cansar. Há cansaços bons. Não. O coração não sossega porque não tem com que sossegar.

Mais que a felicidade e a paz, o mundo precisa de sossegar. O sossegamento é a forma mais precisa de liberdade positiva – uma liberdade para sentir o que se sente e confiar no que se sente, e ter tempo, e vontade, e confiança no que se faz.
Quando se olha para o rosto de uma pessoa amada, ou se recebe dela um gesto de amor, sossega-se. Quando se sabe de antemão o que vai acontecer, ou como alguém se vai comportar, sossega-se. Quando se faz uma promessa ou um plano que sabemos que se irá cumprir, sossega-se. Isto é sossegar.
Quando dois amantes decidem ter um filho, por muito medo que isso possa provocar, sossega-se.
Quando aparece um amigo sem avisar, interrompendo tudo o que se tencionava fazer, sossega-se. Quando se está a lutar contra a injustiça e a maldade, com todas as forças que se tem, sossega-se. Quando se lê um poema ou uma história bonita, sossega-se. Quando se acredita em Deus. Isso, sim, é sossegar.
Gosto de sossegar como verbo transitivo. Sossegar só por si não chega. É mais bonito sossegar alguém. Quando se pede “sossega o meu coração” e se consegue sossegar. Quando se sai, quando se faz um esforço para sossegar alguém. E não é adormecendo ou tranquilizando, em jeito de médico a dar um sedativo, que se sossega uma pessoa. É enchendo-lhe a alma de amor, confiança, alegria, esperança e tudo o mais que é o presente a tornar-se, de repente, futuro. É o futuro que sossega. “Amanhã vamos passear” sossega mais do que “não te preocupe” ou “deixalá, que eu trato disso”.
A aquietação, como o sono, é uma espécie de morte. Sossegar não é jazer. É viver. Uma pessoa sossegada é capaz de deitar abaixo uma floresta. O sossego não é um descanso – é uma força. Não é estar isolado e longe, deixado em paz – é estar determinado no meio do turbilhãoda vida.
O sossego, é, em grande parte, uma expressão espiritual de segurança. Sossegar é saber com o que se conta, desde o azul do céu aos irmãos. O coração sossega em quem se conhece. Sossegar é conhecer uma totalidade, as coisas feias ou bonitas, mas previsíveis e familiares. É por isso que sossega olhar para um rosto amado, que se conhece, ouvir a voz dessa pessoa, mesmo quando está a dizer disparates. Não há falinhas mansas que tragam o sossego dos gritos de uma pessoa com quem se pode contar. É um alívio. Só a ordem pode sossegar, por muito alterosa que seja. A tempestade sossega o marinheiro que conhece bem o barco e o mar.
Não é o que diz a minha mãe que me sossega – é a minha mãe. Não são as palavras – é a voz. Não é ela estar aqui ao pé de mim – é saber que ela lá está.
No nosso tempo as pessoas querem o sossego menos das sopas e do descanso. Serem “deixadas” de alguma forma ou de outra. “Eu quero é que me deixem em paz”. Querem fugir. Querem ir para o campo. Meditar. Descobrir o “eu” interior. Mas a solidão e o silêncio não sossegam. Para isso mais vale tomar um Lexotan.

Só os outros nos podem sossegar. Só no meio da vida, em plena acção, se pode, vale a pena, estar sossegado. O “eu” interior é uma algazarra de desasossego. Para mais, árida e desinteressante. O budismo de trazer por casa que invadiu a nossa cultura, uma espécie de narcisismo espiritual, traduz uma noção repugnante de superioridade. Os outros podem ser o inferno, mas cada indivíduo ainda o é mais.
Não me saem da cabeça os instantes, poucos, em que me senti sossegar – e foi sempre graças a outra pessoa, vista ou lida, conhecida ou desconhecida, viva ou morta, menina ou crescida, sábia ou maluca, próxima ou longínqua, mas sempre presente, mais presente que eu próprio. Eu próprio, por defeito talvez, não consigo lá chegar. Nunca encontrei o sossego nos outros – foram sempre os outros que me sossegaram. E quase nunca deliberadamente.
Lembro-me, em particular, de um momento que consistiu apenas em olhar para alguém e sentir que tudo nela me era querido e conhecido e familiar.
Não há no mundo paisagem como o rosto da pessoa amada, sobretudo quando está agitado, a rir-se ou a zangar-se, desprevenido, apanhado nos olhos como se estivesse dentro deles já. Sentir essa mistura de perdição e de proximidade é verdadeiramente sossegar.
Não são as mentiras, por muito boas, que sossegam. Só a verdade. Às vezes sossega ouvir “odeio-te! ” em vez de “amo-te!”, se “odeio-te!” for dito com amor e com verdade, e “amo-te” com preguiça, por hábito, ou expressamente para nos sossegar.

No outro dia, quando perguntei a alguém que amo, se queria vir jantar, em vez de dizer “não posso”, por isto ou por aquilo, disse apenas “não”. E sossegou-me. Quando se está sossegado aguenta-se tudo. A tristeza torna-se pequena. O mundo reduz-se à dimensão que tem.
O que mais queria na vida era sossegar. Não há diferença entre correr atrás das estrelas e ficar na cama a apascentar. O desasossego em que vivemos deve-se, pelo menos em parte, à nossa imcompreensão do que é, na pura verdade, sossegar e à cobardia e ausência de vontade de tentar alcançá-la, entregando-nos nas mãos de quem nos pode ajudar.
Que ao menos seja esta a causa do nosso desasossego, porque tudo o mais que queremos ou pensamos querer (a felicidade, a realização, o prazer, a tranquilidade) ao pé do puro sossego não é possível – e, se calhar, nem sequer é verdade."

Então? sossegaram????

14 comentários:

I N T E I R O S disse...

As nossas partículas
Não se encaixilham num sossego
Nem tudo se pode explicar por palavras
Há uns que gritam em silêncio

Paty disse...

Porque?,
É sem duvida um excelente texto no qual me identifico tanto...
Tenho a certeza que chegarás onde quizeres, que atingirás o tal sossego, que a tua vida vai sem dúvida melhorar e muito. Obrigado por este post fantastico, beijos.

Carlinha disse...

Olá!
Uma vez que dizes que 2005 terminou da pior maneira, o que desejo é que este ano de 2006 seja um ano se sossego.
Beijinhos

s disse...

olha que às vezes não é sossegar que queremos, é mesmo descansar, respirar, ganhar fôlego, para em seguida encararmos novamente o desassossego das nossas vidas, com energias renovadas. o texto é giro mas gosto mais dos teus. ;-)

Å®t_Øf_£övë disse...

Porquê?,
Finalmente de volta ao nosso convivio. Essa fase, que me pareceu de reflexão, já terminou???
Espero que sim e que passes a colocar textos com mais regularidade para nós podermos ler, porque é sempre um prazer ler-te.
Quanto a este texto do MEC, eu já o conhecia, e aliás, à semelhança de quase todos os textos dele, este também é bem verdadeiro e identifico-me bastante com ele.
Bom fds.
Bjs.

Visible Silence disse...

Querida amiga é bom voltar a ler-te... ao que parece temos tempos idênticos... também eu regressei à escrita...
Espero que esta ausência te tenha feito tão bem como a mim... que o início do teu ano tenha sido tão bom como o meu... estou feliz e a ti desejo esse mesmo sentimento...
Adorei o texto que apresentas, já o conhecia, mas agora entendo a veracidade das palavras que o compõem... tocam-me de outra maneira...

"E não é adormecendo ou tranquilizando (...) que se sossega uma pessoa. É enchendolhe a alma de amor, confiança, alegria, esperança..."
"Não há falinhas mansas que tragam o sossego dos gritos de uma pessoa com quem se pode contar"
"Ás vezes sossega ouvir "odeio-te" em vez de "amo-te", se "odeio-te" for dito com amor e com verdade, e "amo-te" com preguiça, por hábito, ou expressamente para nos sossegar."

Mas sem dúvida as que mais torno minhas e que mais, hoje compreendo, são:

"Não são as mentiras, por muito boas, que sossegam. Só a verdade."
"Uma pessoa sossegada é capaz de deitar abaixo uma floresta"

Amiga...
Porque sei a verdade...
Porque ele me enche a alma de amor, alegria, confiança, amizade, esperança...
Porque tudo foi dito e ouvido com mágoa e muito amor...
Porque sei que com ele posso contar e ele sabe que sempre comigo contará...

Estou sossegada... e sou capaz de deitar abaixo uma floresta...

A ti te desejo o mesmo... que te sintas com força e feliz...

Fico à espera da tua visita
Beijinhos

Desconhecida disse...

Sendo assim, desejo que o melhor de 2005, seja o pior de 2006.

Beijos

P.s. Já tinha dado pela tua falta

Squeezy disse...

"O sossego não é um descanso – é uma força. Não é estar isolado e longe, deixado em paz – é estar determinado no meio do turbilhão da vida"

Gostei particularmente desta pequena frase...

terragel disse...

PORQUE?!!! QUE SUMISSÃO, HEM!?! O sossego é um estado de alta tranquilidade emocional e paz consigo mesmo.
Bjs

Joca disse...

no sossego ficarei sem destino...
sem sentido a olhar o caminho que me segue fatal como o meu destino...

Visible Silence disse...

Querida Porquê,
Obrigada pela tua visita.
Passei para ler novas palavras tuas... saber como estás... melhor???
Beijoquinhas

Å®t_Øf_£övë disse...

Porquê?,
Vim ver se havia novidades, mas já percebi que continuas "sossegada".
Bom fds.
Beijinhos.

pensamentos disse...

Olá,

Desculpa mas isto é um lençol muito grande para eu ler, mas de qualquer maneira passei só para deixar um beijo.

K disse...

Olá, eu sou de chile e eu fiz um ensaio sobre o ensaio sossegar.


beijos!